quarta-feira, 7 de janeiro de 2015

Violência doméstica: cenário é mais grave nos lares

Pesquisa realizada pelos institutos Data Popular e Patrícia Galvão revelou que 70% das mulheres vítimas de violência são agredidas nas próprias residências e, em geral, por seus parceiros. No entanto, a realidade pode ser ainda mais superior ao que a pesquisa apresentou. Esta é a avaliação feita pela a magistrada Maria Socorro Pinto, que está a frente do Juizado Especial da Violência Doméstica, localizado no bairro de Lagoa Nova, desde 2008. Ela acredita que muitas mulheres agredidas não denunciam as realidades que sofrem dentro de casa, o que gera uma subnotificação dos números.

A pesquisa, realizada no final de 2014, revela que o problema da violência doméstica está presente no cotidiano da maior parte dos brasileiros. O levantamento revelou que 54% dos entrevistados conhecem uma mulher que já foi agredida por um parceiro e 56% conhecem um homem que já agrediu uma parceira. Outros 69% afirmaram acreditar que a violência contra a mulher não ocorre apenas em famílias pobres.

“Muitas ainda têm vergonha ou não sabem propriamente onde se dirigir para denunciar”, comenta a juíza Socorro Pinto, ao ressaltar que a unidade conta, atualmente, em média, com cerca de 3 mil demandas, relacionadas à determinação de medidas protetivas, em direção às vítimas, inquéritos, bem como procedimentos que ainda dependem de testemunhas. De acordo com a titular da unidade, por outro lado, a demanda também vem crescendo após a edição da Lei nº 11.340/2006, mais conhecida como Lei Maria da Penha.

Atualmente, 3 em cada 5 mulheres jovens já sofreram violência em relacionamentos e 37% delas também afirmam ter tido relação sexual sem preservativo por insistência do parceiro. A pesquisa também revelou altos índices de naturalização da violência nos relacionamentos, que é mais associada a agressões físicas, ameaças, xingamentos, bem como humilhações e o impedimento de sair ou de usar determinada roupa.

Receba as notícias do Blog por email

Seguidores